© 2017 por Vinicius de Oliveira

currículo

Mostrar Mais

Vinicius Meloni (1983) nasceu em Birigui/SP.

Ator formado pela Escola de Arte Dramática da USP e licenciado em Arte-Teatro pelo Instituto de Artes da UNESP.

​Em 2019, estreou o longa-metragem Seus Ossos e Seus Olhos de Caetano Gotardo no Festival Internacional de Cinema de Rotterdam (IFFR) e na 22° Mostra de Tiradentes. No teatro, estreou os espetáculos: FIM dirigido por Felipe Hirsch (indicado ao Prêmio APCA de Melhor Espetáculo); Terror e Miséria no Terceiro Milênio (Prêmio APCA – prêmio especial do júri) dirigido por Claudia Schapira com o Núcleo Bartolomeu de Depoimentos; As Mãos Sujas (indicado ao Prêmio APCA de Melhor Espetáculo) dirigido por José Fernando Peixoto de Azevedo.

​Foi indicado ao Prêmio APCA (Associação Paulista de Críticos da Arte) pelas atuações nos espetáculos As Mãos Sujas e Terror e Miséria no Terceiro Milênio. Foi também indicado ao Prêmio Shell de Teatro pela atuação no espetáculo Cidade Fim - Cidade Coro - Cidade Reverso (2011) do Teatro de Narradores e dirigido por José Fernando Peixoto de Azevedo e Lucienne Guedes. O espetáculo recebeu o Prêmio Cooperativa Paulista de Teatro na categoria Espetáculo Realizado em Espaços Não Convencionais, circulou por diversos festivais no país e integrou a programação da Feira do Livro de Frankfurt - Alemanha (2013).

 Foi ator convidado dos grupos mundana companhia (2014-2018) no espetáculo Na Selva das Cidades - Em Obras, de Bertolt Brecht e direção de Cibele Forjaz;  Tablado de Arruar (2013-2017) nos dois primeiros espetáculos da Trilogia Abnegação dirigidos por Alexandre Dal Farra e Clayton Mariano; Teatro de Narradores nos espetáculos Pílades (2010), A Resistível Ascensão de Arturo Ui (2013) e uma série de intervenções urbanas, todos dirigidos por José Fernando Peixoto de Azevedo.

​Em cinema, atuou ainda nos longas Todos os Mortos (em finalização) de Caetano Gotardo e Marco Dutra;  A Casa do Girassol Vermelho (em finalização) de Éder Santos e Thiago VillasBoas; nos curtas Um Homem Satisfeito (2015) de Bruno Cucio e Cris Lyra, selecionado para o 26° Festival Internacional de Curtas Metragens de São Paulo e 19° Festival Internacional de Cine de Punta del Leste; O Intruso (2014) da série de curtas Crônicas Não Ditas produzida pelo Manifesto Impromptu (Tatiana Lohmann, Claudia Schapira, Azul Serra, Bianca Turner); Aquela Porta de Vitor Meloni (em fase de finalização).

​Foi assistente da diretora Cristiane Paoli Quito na montagem do espetáculo O Gato Malhado e a Andorinha Sinhá (2009) feita pelo Grupo 59 de Teatro. Também estagiou com Quito em suas aulas de interpretação e improvisação dadas ao primeiro ano (turma 66 - 2014) na EAD/USP.